Inteligência artificial vai completar a décima sinfonia de Beethoven

Quando morreu em 1827, Ludwig von Beethoven deixou incompleto seu último trabalho, a décima sinfonia, que ele havia começado a escrever em paralelo à nona, aquela que inclui a famosa Ode à Alegria. Do trabalho inacabado, ficaram registradas somente algumas notas e rascunhos. Mas um time de musicologistas e programadores alemães está trabalhando para completar este trabalho usando inteligência artificial.

O algoritmo está em desenvolvimento há alguns meses. Ele recebe pequenos trechos do trabalho finalizado de Beethoven, além de versões iniciais das mesmas composições, e como é capaz de processar uma quantidade enorme de notas em um curto intervalo, eventualmente aprende as características que conferem personalidade ao trabalho, partindo das primeiras anotações até o resultado final. Então, periodicamente é testado quando é usado para improvisar novas composições. Nos primeiros resultados, as avaliações eram pouco promissoras, já que a música parecia mecânica e repetitiva. Mas, segundo o líder do projeto, há poucas semanas ele começou a produzir resultados considerados surpreendentes. Os profissionais envolvidos não esperam um trabalho perfeito, já que os últimos arremates, que dão um toque de estilo pessoal às composições, ainda serão feitas por músicos. Mas mesmo assim, seria praticamente impossível construir uma base sólida o bastante para esse processo de lapidação sem a ajuda da inteligência artificial.

Não é a primeira vez que um projeto do tipo é realizado. No começo desse ano, a Huawei terminou a oitava sinfonia de Schubert também usando inteligência artificial. Mas é a primeira vez que um algoritmo tenta reconstruir uma sinfonia a partir de tão poucas informações iniciais.

Ainda que a intenção inicial seja interessante por si, o desenvolvimento deve possibilitar mais do que a construção da sinfonia. A empresa Deutsche Telekom, por exemplo, que financia o projeto, espera usar a tecnologia em trabalhos envolvendo reconhecimento de voz.

O trabalho finalizado será performado publicamente por uma orquesta em Bonn, cidade natal de Beethoven na Alemanha, em 28 de abril de 2020, como parte das celebrações dos 250 anos do compositor. Parece ser uma homenagem digna dos nossos tempos, ainda mais para um artista de espírito inovador como Beethoven foi.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *