Inteligência Artificial

Nas 119 páginas do livro Inteligência Artificial da Série Domínio, o autor aborda principalmente os conceitos mais técnicos e computacionais que foram progressivamente descobertos para a criação da inteligência artificial. O livro é dividido em duas seções principais: (i) Técnica e ciência das máquinas e (ii) Máquinas e homens.

A primeira seção é focada em aspectos históricos, que começam em meados dos anos 1600 com a máquina de calcular de Pascal. Após, a história avançou para Leibniz, que acreditava que uma máquina poderia raciocinar para conseguir fazer deduções. O autor considera Leibniz como o verdadeiro precursor da inteligência artificial, pois foi o primeiro a achar que uma máquina poderia descobrir evidências. Isso é dado pelas proposições lógicas, como por exemplo:

Proposição 1: Se as taxas de juros aumentam, então os investidores tenderão a vender suas ações.

Proposição 2: Se os investidores vendem suas ações, então a situação econômica das empresas corre o risco de deteriorar-se.

Proposição 3: Se a situação econômica das empresas se deteriorar, então o desemprego crescerá.

Leibiniz afirmava que uma máquina poderia descobrir essa relação implícita nessas proposições, ou seja, que existe uma ligação entre o aumento das taxas de juros e o desemprego. O autor aborda também os trabalhos de Charles Babbage e George Boole, indicando as contribuições que esses pesquisadores deram para o seguimento da área; principalmente a criação da lógica booleana para a representação das proposições descritas acima em formato matemático (matematização da lógica). Os trabalhos de Alan Turing também são abordados, principalmente a máquina que foi utilizada para descriptografar as mensagens secretas enviadas pelos alemães na Segunda Guerra Mundial.

Além desses aspectos históricos, o livro mostra uma visão muita clara das limitações dos computadores na resolução de problemas, citando que seria praticamente impossível descobrir todas as possibilidades de jogadas em um jogo de xadrez. Por isso, são mostradas as heurísticas para ajudar os algoritmos de inteligência artificial a encontrarem as melhores soluções para problemas de busca. Em torno de 10 páginas são destinadas para descrever como funciona a representação de uma linguagem formal, para que assim um computador consiga interpretar os dados e tomar decisões. Essa parte do livro é bastante interessante e didática, sendo uma boa introdução a esse conteúdo principalmente para disciplinas de Teoria da Computação!

A segunda parte do livro é dedicada a análises sobre máquinas e homens, e o texto de abertura do capítulo é o seguinte: “…o uso generalizado das máquinas terá consequências intelectuais, culturais e sociais. Desde já, precisamos nos preparar para elas”. Como o livro é bastante antigo (versão original de 1993), hoje em dia podemos observar esses aspectos acontecendo agora mesmo! Alguns exemplos são a substituição de vários trabalhos manuais por máquinas “inteligentes”, algoritmos que criam filmes, música e até pinturas! O interessante em ler livros mais antigos é que podemos fazer um paralelo das ideias originais do autor há anos atrás e ver como as coisas estão agora.

Nesta parte do livro, o autor aborda bastante sobre o “estrato do conhecimento” e como ele é importante para a criação de máquinas inteligentes. Além disso, existe um tópico específico sobre a repercussão social das máquinas, citando o exemplo da máquina diferencial de Charles Babbage (1822) que tinha a ideia de substituir o trabalho de vários matemáticos. Hoje em dia esse tipo de situação tem crescido cada vez mais, conforme mencionei acima! Por fim, o livro é finalizado com uma seção focada somente em desafios culturais  que devem ser enfrentados pela utilização das máquinas inteligentes.

Para finalizar este review, deixo o comentário que o livro é somente teórico e voltado mais para aspectos históricos, muito parecido com aquelas aulas de introdução à informática que temos no primeiro semestre de um curso de graduação! O livro não apresenta muitos exemplos de inteligência artificial e nem ferramentas ou técnicas, ou seja, o objetivo é mostrar uma visão muito superficial e teórica do tema. Recomendo a leitura somente para quem tiver interesse e curiosidade nesses aspectos, portanto, se você é um desenvolvedor que busca material sobre como aplicar IA na prática, este livro não é para você! Além disso, algumas partes do livro são difíceis de entender e um poucos maçantes! Abaixo seguem os dados completos do livro:

Título: Inteligência Artificial
Autor: Jean-Gabriel Ganascia
Editora: Ática
Ano: 1997
Páginas: 119

Sê o primeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *